A Origem dos Jogos Lúdicos e Brincadeiras

  • por
A Origem dos Jogos Lúdicos e Brincadeiras

Quando falamos da história dos jogos e brincadeiras, no geral, precisamos pensar em construções humanas que envolvem diversos fatores sociais, econômicos e culturais. Tais atividades surgiram em consequência da força de trabalho e do uso de ferramentas.

Esta concepção teve influências marxistas e foi predominantemente alvo de análises de pesquisadores soviéticos como Elkonin (1998), Vygotsky (1984; 1990) e Leontiev (1988).

Inevitavelmente, a brincadeira pode ser considerada uma das principais portas de entrada da criança para as suas experiências culturais. 

Neste sentido, a história, a cultura e a economia se fundem completamente fornecendo subsídios e símbolos sociais com os quais a criança se utiliza até se identificar com determinada cultura.

Com o passar dos tempos, os jogos e brincadeiras tiveram um papel primordial na aprendizagem de tarefas e no desenvolvimento de habilidades sociais, necessárias às crianças para a sua própria sobrevivência. 

O jogo deve se apresentar como uma atividade que responde a uma demanda da sociedade em que vivem as crianças e da qual devem chegar a ser membros ativos. 

Manipular brinquedos é, acima de tudo, manipular símbolos. Por conta disso, nem sempre a criança vai fazer do brinquedo o uso que o adulto espera assim que o apresenta, devendo haver um processo de construção.

Em outros tempos, o trabalho não tinha o valor que lhe atribuímos atualmente, tampouco ocupava tanto tempo do dia. 

Os jogos e brincadeiras eram os principais meios que a sociedade tinha para estreitar seus laços coletivos e permanecer unida. Isso se aplicava a quase todos os jogos e esse papel social era evidenciado principalmente em virtude da realização das grandes festas. 

Adultos, jovens e crianças se misturavam em todo tipo de atividade social, ou seja, no entretenimento, no exercício das profissões e tarefas diárias, no domínio das armas, nas festas, cultos e rituais. O cerimonial dessas celebrações não fazia questão alguma de distinguir as crianças dos jovens e os jovens dos adultos, muito em detrimento do fato de que esses grupos sociais estavam muito pouco definidos dentro de suas peculiaridades. 

Outro fator a ser ressaltado nessas festas era o seu caráter místico. Nas representações sagradas, encontrava-se em jogo um elemento espiritual bastante presente e importante na nossa história.

O brinquedo e a atividade da criança nada mais eram do que uma ferramenta de trabalho modificada e uma adaptação da atividade dos adultos por meio desta ferramenta. 

A história do brinquedo e dos jogos ilustra toda uma representação de infância e à modificação da imagem da criança, acompanha a modificação de seus jogos e brinquedos, estando as suas relações organicamente vinculadas à da mudança do seu patamar na sociedade, não podendo ser compreendida fora desta ótica. 

Esse lugar nos dá a chave para a explicação de como os jogos e brincadeiras ocupam o seu desenvolvimento. 

A título de exemplificação, a criança indígena brasileira quando brinca de arco e flecha está manipulando uma atividade própria dos adultos e que ela terá que aprender muito cedo para a sobrevivência de sua comunidade.

 A natureza dos jogos infantis só pode ser compreendida pela correlação existente entre eles e a vida da criança na sociedade.

KIT SÓ ESCOLA

+ de 1100 atividades para alfabetização exclusivas e atualizadas pensadas e elaboradas por profissionais renomados.

Com o KIT SÓ ESCOLA seu filho ou aluno vai reforçar e/ou acelerar o processo de alfabetização. São centenas de atividades educativas lúdicas e atualizadas.

  • O kit é para crianças entre 1 a 10 anos de idade, mas também pode ser usado por crianças de outra faixa etária como um reforço do aprendizado. 
  • Pode ser usado também como um complemento escolar para reforçar a leitura e escrita, além de trabalhar com a motricidade fina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *